Poesia

ELAS FOGEM, AS PALAVRAS…

AnaDeSousa.20180112_234446 (1)

POEMA de JOÃO DE ALMEIDA SANTOS. Ilustração de ANA de SOUSA. 01/2018

 

QUERIA FAZER-TE
UM POEMA,
Sentir-te nele
À vontade
E as palavras
Endoidaram
Quando 
Feliz 
Lhes falei
Da minha 
Quente
Saudade...
.............
Fugiram
Numa revolta
Sentida
Sem conhecer
A verdade.

EU ESTAVA
A MENTIR
Sem cuidar
Da crueldade
De as usar
Como queria
Só porque
Tinha saudade...

ESGUEIRARAM
RUA FORA,
Cada uma 
Por seu lado,
Em fugas
No horizonte
Deste poema
Tentado.

SÓ JÁ AS VIA
LÁ LONGE,
Ao fundo
Da tua rua
Num ponto 
Do infinito
Desta minha 
Alma nua.

UMAS
ESVOAÇAVAM
No fio 
Do horizonte,
Outras
Aninhadas
No passeio...
.............
E eu a tentar
O versejo
Capturado
Num enleio
Desta prisão
Do desejo!

PALAVRAS 
EM CORRERIA,
Letras
Perdendo forma
Como fios
De um novelo
Já desfeito
De sentido
Como a água
Do gelo...

SÃO FIOS
EMARANHADOS,
Letras 
Que se deslaçam
E procuram
Outras formas
Para lá da minha 
Rima,
São riscos
Na tua tela
A subir
Por ela acima...

QUERO FAZER-TE
UM POEMA
Com palavras
Desenhadas
Mas elas fogem
P’ra longe
Correm, correm
Assustadas
Não vá mesmo 
Ser verdade
Que as quero
Alinhadas
Neste recanto
Feliz
Onde resisto
À saudade.

ELAS GOSTAM
DE CANTAR
Esta minha 
Triste dor 
E gostam 
De me dizer
Esta intensa
Emoção...
...........
Mas se vêem
Que és feliz
Fogem de ti,
Dizem “não!”

O POEMA 
PASSARINHO
Procura-te
Para cantar
Mas se já 
Não sentes nada
É ele que foge
A voar...

E HOJE
É MESMO ASSIM
Fogem todas
As palavras
Sem procurar
Um destino,
Já não consigo
Agarrá-las
Num poema
Genuíno.

NÃO SABEM
DA MINHA DOR
E por isso
Vão embora
Estou sem palavras,
Amor,
Estou muito triste,
Agora!

 

 

 

 

Anúncios