Poesia

AZUL

Poema de João de Almeida Santos 
Ilustração: “Paraíso”. Original de minha autoria 
para este Poema. Setembro de 2018.
Jas_Paraíso

“Paraíso”. Jas. 09-2018

POEMA – “AZUL”

TANTO AZUL,
Meu deus!
O teu céu,
Esse imenso mar,
É espelho
Dos teus sonhos,
Medida do teu 
Olhar.

O MEU É BRANCO
E cintilante
Para te alumiar
Na noite escura
Onde brilham
Gotículas salgadas
Nos teus olhos,
A navegar...

OUVE-SE
O suave murmúrio
Das ondas
Que abriga,
Como véu
Translúcido,
O estranho silêncio
Que há muito
Ouço,
Insistente,
Com a alma
Dorida do
Poeta que me
Habita.

QUANDO, NOS
SONHOS,
Ao longe
Te entrevejo
Vestida de azul
Turquesa,
Entro numa porta
Branca
Que me leva
Directamente ao
Paraíso...
...................
E nele voo, voo,
A perder de vista,
Deixando para trás
O jardim
Inacabado,
Porta escancarada,
Bailéus desenhados
A rigor,
A preto e branco,
De onde
Um dia
Te vi
E cantei
No meu primeiro
Poema,
Num estranho
Enlace
Que não tem
Fim...

NOS SONHOS,
(Em todos eles)
Caio das nuvens
Brancas
Como Ícaro
Ou meteorito
Incandescente
E quase me afogo
Nesse frio azul
Até te encontrar
No coral
Luminoso
Onde vives
Vestida de todas
As cores
Que povoam
A cidade
Dos poetas...

MAS É ESSE 
Teu azul
Profundo e
Denso,
Que respiro,
O que me sobra
De ti,
Nos sonhos
Escritos
E pintados
Com que te
Vou soletrando
Lentamente...
Até cair exausto
E adormecer
No regaço
Da tua alma.

Jas_ParaísoR2

3 thoughts on “Poesia

  1. Gosto muito dos poemas que todas as semanas pública. Não fazem rima, não faz mal, sente-se que é o que sente, que lhe vai na alma. É bom deixar-se assim transparecer! Obrigado por partilhar!

  2. A profusão do Azul, com que abre este poema, contamina, semanticamente, todo o enunciado poético, ganhando essa cor expressividade quer pela ênfase do lexema tanto (“Tanto azul”) quer pelas tonalidades com que o sujeito poético vai pontuando o objecto amado (“Vestida de azul/Turquesa”; “ESSE/azul/Profundo e/Denso”).
    Ao mesmo azul é atribuído, por metonímia, os sentimentos de um “tu” distante e silencioso – a hipálage e a hipérbole dos versos (“ E quase me afogo/Nesse frio azul”)traduzem a inexistência, dorida, da falta de comunicação entre um “tu” e um “eu” poético.
    Curiosamente, ao azul, o Poeta contrapõe o branco para si (“ O MEU É BRANCO/E cintilante”) e para a PORTA (“ Entro numa porta/ Branca/Que me leva/Directamente ao/Paraíso…”), porta essa que remete para a belíssima ilustração deste poema. A polissemia da Porta, do Azul e do Branco, configuram um horizonte de leitura plurívoco a indiciar a consciencialização de um Poeta, que, através da POESIA, transcende o silêncio e os desencontros (reais ou imaginados) de um quotidiano cinzento. Alumiado pela autorealização da alquimia da emoção e da arte poética e pictórica, O Poeta/Pintor vai em busca (e com isso arrasta o leitor…) de um Paraíso, que, significativa e metaforicamente, dá título à ilustração do Poema…

    “OUVE-SE
    O suave murmúrio
    Das ondas
    Que abriga,
    Como véu
    Translúcido,
    O estranho silêncio
    Que há muito
    Ouço,
    Insistente,
    Com a alma
    Dorida do
    Poeta que me
    Habita.”

    • João de Almeida Santos. Cara Professora Maria Neves, sim, é isso: a porta, o branco e o azul. O início do poema é espanto, o que alguns colocam na origem do filosofar e que eu, aqui, coloco na origem do poetar. Mas, sim, espanto: tanto azul, meu deus! É assim. E hei-de continuar a espantar-me como reacção quase iniciática e motor dos meus cantos. Claro, espanto-me sempre com a origem da minha caminhada poética que já calcorreou cento e cinco veredas poéticas, o que não é pouco! E que, por isso mesmo, tanto me espanta. É este espanto que me anima e não me deixa deslizar para o “quotidiano cinzento” de que fala. Não que desdenhe o cinzento… mas que tema que ele ocupe sorrateiramente o meu quotidiano para enfraquecer os laços vivos que me prendem à vida e ao canto dionisíaco, mesmo que triste. O poeta que me habita… Nem sei como se chama. Se calhar nem tem nome, por ser uma silhueta que se esgueira nas esquinas mais agudas do dia-a-dia, como espectro ou até mesmo simulacro de uma simples ideia ou de um terno sentimento. Acho que o Bernardo Soares me anda a dar voltas à cabeça. O que vale é que lhe dou também eu a volta e transformo os seus pensamentos torturados em poesia (embora também ela muito torturada). Mas tenho a certeza: o poeta que me habita, sem pagar renda, e, bem pelo contrário, estando sempre a cochichar-me coisas ao ouvido, não tem nome e até julgo que nunca o vai ter. Poeta Sem Nome! Que belo nome, não é, Professora? Chamamos-lhe “O Inominado”? Mas, mesmo assim, poderá habitar-me, sem bilhete de identidade, um espectro, uma sombra que se esgueira nas esquinas da minha vida? Levo-o à loja do cidadão? Não gostaria… Aguardo, então, a sua opinião, Caríssima Professora, e fico-lhe mais grato ainda pela generosidade das suas análises dos meus poemas. Um abraço.

Deixe uma Resposta para Maria José Soromenho Cancelar resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s