Poesia-Pintura

COR, DÁ-ME COR

Poema de João de Almeida Santos.
Ilustração: “Cor”.
Original de minha autoria
para este poema.
Novembro de 2020.
Jas_TCor151120Pub

“Cor”. Jas. 11-2020.

"Donde termina el arco iris, 
en tu alma o en el horizonte?"

Pablo Neruda 

POEMA – “COR, DÁ-ME COR”

COR, DÁ-ME COR,
Fico mais perto
De ti
Se vieres
Docemente
Com o vento.
Cor, dá-me cor
Que as palavras
Coloridas
Já me sabem
A cinzento.

OU TALVEZ NÃO.
Palavras
Nunca me faltam
Nem vivo
Na escuridão,
Ainda consigo
Dizer-te
E com elas
Dar-te a mão.

TENHO-AS
Que me cheguem
Para cantar
Ao vivo
O concreto
Do teu nome,
Ouvir assim
O teu eco
Quando a tristeza
Irrompe
E esta dor
Me consome...

AH, MAS A COR
Se for intensa
E nascer
Por explosão,
Se tiver
Em contraponto
Palavras
De emoção
Que dão ritmo
Ao azul
Dos teus sonhos
De papel...
.................
Ah, sim, é tudo
O que eu preciso
Pra te esculpir
A cinzel.

DÁ-ME COR
Que eu sou
Sensível
À luz fulgente
Do teu olhar,
Vagueio nas
Flores que colho
Quando vestes
O vermelho,
A cor viva
Com que brilhas
No cristal
Do meu espelho...
...............
Ou te cobres
Com o manto
Do arco-íris
Que és.

AH, TU ÉS COR,
Gota d’água
Suspensa
No fio
Do horizonte,
Iluminada
De ouro
Pelo sol
Que já desponta
Lá em cima,
No meu Monte.

DANÇAS COM ELA,
A cor,
E com ela 
Adormeces...
..........
Por amor.
É sopro
Da tua alma
Quando a vida
Se faz sonho
E lá no alto
Do céu
Logo te cobres
De azul...

MAS EU GOSTO
De te pintar
Com palavras,
Onde o azul é
Mais quente,
O verde
Esse teu manto
E o vermelho
Emoção
Nos poemas que
Te canto
Com paixão...
...............
Vibra o verso
Em amarelo
Dói-me o peito
De amor
E já treme
A minha mão.

É NA COR
Destas palavras
Que te revejo
As vezes
Que eu quiser
Pois dou corpo
Ao desejo
Nos poemas
Que fizer.

CADA VEZ MAIS
Gosto de cor,
De me confundir
Com ela,
Dançá-la
Como vida
Em efusão,
Fogo de artifício
Que embriaga
Os sentidos
Como lava de
Vulcão...

EVOCO
O Poeta-Mestre
Quando pedia
“Mais luz”
Já no seu leito
Fatal.
Tinha luz
Dentro de si
Mas a cor
Já não entrava
No portal.
Era cinzenta
E ténue
A cor
Que lhe restava
E logo escurecia
Quando a porta
Se fechava...

LUZ É COR,
Desperta da
Letargia,
Ressuscita
Do torpor,
Celebra vida
Com magia,
É canto,
É alquimia,
Chilreio de
Passarinho
Que anuncia
O meu voo
Aos azuis
Que por lá pintas
Como se fossem
Meu ninho.

AH, SIM!
Mas eu gosto
É de palavras,
Foi com elas
Que te vi
Nas letras
Que desenhei,
Os rostos
Que descrevi,
Emoção
Que não calei.

E TU CABES
Em quatro letras
Quando teu
Nome
Tem sete
E me sabe
A Primavera
No meu Jardim
Encantado
Onde tudo
Me fascina
Porque a beleza
Impera
E eu fico
Apaixonado.
Jas_TCor151120PubRec

“Cor”. Detalhe.

2 thoughts on “Poesia-Pintura

  1. Gostei imenso do Poesia em Pintura. João. Conseguiu colocar as cores certas, para as ocasiões especiais na sua vida. Uma Poesia muito completa ..Luz é vida na verdade e, o cinzento é uma cor sombria para a sua forma de ser. Felicidades

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s