Artigo

A DESFORRA DE “LELÉ DA CUCA”

Por João de Almeida Santos

ALinhadoHorizonteFinalExp

HOJE É DIA DE FESTA, Dia de S. Balsemão. A democracia parece que deseja rever-se no rosto de um PM que, afinal, foi o sétimo constitucional, mas não eleito. Estranho, não é? E ainda por cima não se sabe ao certo se a celebração é por ter sido PM há 40 anos, substituindo Sá Carneiro, depois do trágico acidente, se é por lançar a sua Autobiografia ou se é por ser dono do maior grupo de comunicação português, a Impresa

OH, NÃO SEI MESMO! O que sei é que há imensas coincidências em tudo isto. Umas mais evidentes, outras nem tanto. A festa – será por mero acaso? – acontece em tempo de pré-campanha, quase de campanha eleitoral. Depois, celebra-se, em democracia e em registo republicano, um homem a quem o também republicano Henrique Monteiro, diligente funcionário do Grupo Impresa, chamou, num artigo de 4 páginas e uma coluna, 9 vezes “Príncipe”, equiparando-o também a membro da família real britânica e identificando a esposa do “Príncipe” como “Queen Mother”. E, mais, ouço dizer por aí que também o I Governo Constitucional, de Mário Soares, foi homenageado por ocasião dos seus 40 anos. Não me lembro, mas, se foi, aplaudo, por Soares e por ser o primeiro.  De facto, o seu foi o primeiro governo constitucional e Mário Soares o primeiro PM que resultou directamente de eleições legislativas. O que não aconteceu com o VII. Por isso, se quisermos ser justos, nem o VII governo constitucional pode ser comparado ao primeiro, nem Balsemão pode ser comparado a Soares. Ou estou enganado?

NADA TENHO contra celebrações, mesmo que elas sejam autoglorificações das elites. Se celebram alguma razão haverá para isso. Que se celebrem, pois, e se federem à vontade nos actos celebrativos. Amen. Mas… há sempre um mas… Este caso, estas coincidências de datas, esta justificação para a homenagem, este unanimismo institucional em torno daquele que, um dia, o actual PR baptizou de “Lélé da Cuca”, suscitam-me uma profunda estranheza: o “Príncipe” Balsemão a surgir como principal protagonista e o republicano PM, António Costa, como Oficiante formal num ritual institucional para o qual foram convocados todos os protagonistas institucionais.

NÃO PARECERÁ tudo isto uma entronização oficial da “Impresa”,  no mesmo momento em que Balsemão lança a sua Autobiografia de mil páginas, em tempo de pré-campanha eleitoral autárquica, a escassos 24 dias das eleições, e num momento em que o líder da oposição se encontra num calamitoso estado de prostração, mais parecendo um golpe de misericórdia, com o condenado a caminhar pelo próprio pé para o cadafalso?

O QUE NÃO ME PARECE despropositado é a suspeita de que, com António Costa, passámos a ter um grupo de comunicação social do regime, a “Impresa”. Já lá estava o irmão, o inefável áugure do regime, agora também ele lá fica como Oficiante.

NADA DISTO me parece muito edificante. Tudo sabe a montagem, a aliança tácita de poder, a manobrismo encapotado nas barbas da cidadania. Só falta mesmo incorporar o PSD no PS e criar uma União Nacional, com imprensa do regime, a que se pagará para vigiar e perseguir a pós-verdade, as fake news, a desinformação, através de uma norma regulamentar. Para controlar a incontrolável rede, já que para os outros grupos de comunicação sempre haverá, como houve, alguns milhões de financiamento. 

DIR-ME-ÃO: que mal tem isto? É só uma homenagem, como tantas outras. Até poderá ser, mas não parece e nem sequer parece poder estar inscrita num qualquer genuíno código protocolar da democracia. São excessivas as coincidências, é excessiva a aproximação de dois poderes que se deveriam manter respeitosamente distantes, são falaciosas as justificações para o facto, o tempo do acontecimento é errado, e mesmo inaceitável, as cumplicidades começam a ser por demais evidentes e o que parece ser mais preocupante é a redução da política a mero exercício de poder, tudo sendo legítimo para este fim. Esta, de facto, parece-me ser uma pura operação de poder, um puro ritual de oráculo, uma manobra de bastidores coberta pelo manto diáfano da celebração oficial, a caminho de uma anémica democracia. Não, não me parece que esta celebração tenha sido uma boa ideia e que augure um futuro radioso para a nossa democracia. #Jas@09-2021

ALinhadoHorizonteFinalExp-cópia

2 thoughts on “Artigo

  1. Querido Professor, Espero-o bem! Saudades das n/ conversas… Embora calada, nunca ausente… gostaria que soubesse. Permita-me uma modesta palavra sobre este Artigo: magnífica reflexão, excecional de verdade. Concordo em absoluto com cada frase nele contida. Não poderia ser mais preciso e real. E põe a nu a hipocrisia em que vive a política portuguesa. Genial, Professor, parabéns!!! Bj e abraço forte, Fernanda

  2. Caro analista,
    Acho que vês Jumbos numa avionete mal amanhada. A corte do dr. Balsemão pode fazer as louvaminhas que quiser mas os impresários estão em mau estado. Viviam bem num mundo onde o dinheiro jorrava da PT e do BES/GES. Esse mundo morreu. Com grande megalomania pagaram à agora Altice maquias gordas para terem SIC’s para todos os gostos (desde a Kids, à mulheres…). Por fim quando o povo que paga já estava no Netflix, HBO,etc tiraram da manga o inefável e chatíssimo OPTO, cujos assinantes serão um segredo tão secreto como a lista dos jornalistas avençado pelo dr Salgado que por decisão editorial (sic) a Impresa guarda num cofre.
    Achei estranha a cerimónia de louvor, primeiro porque o dr. Balsemão foi líder de um Governo triste e disfuncional, revelador do esgotamento de uma fórmula que morreu em Camarate. Depois porque quem o anavalhou passou pelo acto, saudou mas teve a decência de não ficar, regressando a Belém.
    Por fim, não há negócios com o Demo porque ele pode prometer tudo mas dá o que entende. No caso, o PS é tratado como lixo nos canais todos. A defuntação da parte digital do antigo império elimina a memória de meses de sacanice política, mas é resultado do facto de o Demo ser pouco culto digitalmente e supinamente forreta.
    Deve perdoar-se ao Henrique entrar em delírio monárquico cada vez que alude à família com quem conviveu tantos anos. Quanto à Reyna Mercedes (nome mais apropriado) é uma simpática senhora que só provou que de Espanha pode vir bom casamento, embora tenha tido de sofrer muito porque marido português é da mesma estirpe do Juan Carlos, caçador de elefantes e colecionador de amantes.

    Em suma: o teu post anda longe do alvo e hoje isso é mais claro do que era quando o escreveste.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s