Artigo

O “GRILLO” CANTA SEMPRE AO CREPÚSCULO…

João de Almeida Santos

palazzo-del-quirinale_498086440_veduta-palazzo-quirinale-x-_41823

Palazzo del Quirinale, Roma, residência do Presidente da República. 
Aqui se decidirá o futuro político de Itália, após eleições 
legislativas que deixaram o país político mais uma vez fragmentado
e sem uma clara solução de governo. A palavra ao Presidente Sergio 
Mattarella.

 

RECUPERO O TÍTULO de um livro de Beppe Grillo, Gianroberto Casaleggio
e Dario Fo ("Il Grillo Canta Sempre al Tramonto", Milano, 
Chiarelettere, 2013) em forma de diálogo inspirado num livro de 
Luciano de Samósata, “A nau, ou seja, os desejos”, escrito no 
II Século d. C., uma viagem, em forma de diálogo, ao futuro como 
solução dos males do presente.

Os dados relevantes

Grillo e Casaleggio, naquele momento, já estavam a caminho do futuro. 
Em 2013. E em marcha acelerada. Nas eleições desse ano foram a 
primeira força política, com 25.5% e 8 milhões e 689 mil votos, 
para a Câmara dos Deputados. E, agora, em 2018, são de novo a maior 
força política, mas desta vez com 10 milhões e 617 mil votos, a cerca
de 14 pontos de diferença do Partido Democrático. Um triunfo 
esmagador, a outra face da esmagadora derrota do Partido Democrático
(PD).
Vale a pena ver alguns números comparativos (relativamente às 
eleições de 2013): o Movimento5Stelle (M5S) aumentou em cerca de 
2 milhões de votos o score eleitoral, tal como a direita, que obteve 
mais 2 milhões e duzentos mil votos. O Partido democrático perdeu 
cerca de 2 milhões e meio de votos. E se, com toda a probabilidade, 
um milhão foi para Liberi e Uguali - os que, inspirados por Massimo 
D’Alema, saindo do PD, acabaram por acentuar a espiral negativa que 
começou com a desastrada iniciativa do referendo constitucional de 
Renzi -, para onde foi um milhão e meio de votos? A resposta parece 
não ser difícil.

A novidade

Mas a grande novidade para que há que olhar é, de facto, a 
consistência eleitoral do M5S e o seu triunfo esmagador sobre o seu 
directo concorrente, o PD. As sondagens, ao longo de anos, davam o PD
à frente, embora com uma pequena percentual de avanço. A coligação 
de direita não é uma novidade porque os governos Berlusconi sempre 
resultaram desta mesma fórmula (FI, Lega Nord e Alleanza Nazionale). 
Nem os seus resultados foram muito significativos, apesar da forte 
subida em relação a 2013. A ala mais de direita, diria mesmo, 
de extrema direita (Lega + Fratelli d’Italia, os legítimos herdeiros 
de Alleanza Nazionale), essa sim, é que garantiu uma boa performance
ao conseguir quase 22% do eleitorado. Ao mesmo tempo, o PD entraria 
numa espiral negativa que não se sabe como acabará, vista, 
por um lado, a sua tendência reiteradamente suicida e, por outro, 
a progressiva perda de identidade político-ideal que tem, como tantos
outros partidos partidos socialistas e sociais-democratas, vindo a 
sofrer.

O MoVimento5Stelle

Uma coisa é certa. Os grandes vencedores foram os partidos
anti-sistema e as várias frentes temáticas que fazem deles partidos 
vencedores: contra o establishment, político e mediático; contra a 
imigração; contra a União Europeia; devolução do poder ao povo, 
contra a “casta” que tem vindo a governar Itália. Destes partidos, 
aquele que representa a maior novidade é o M5S, um partido digital 
que quer uma república digital, uma cidadania digital e uma 
democracia digital directa, que tem como sua base de apoio o povo 
da rede, que pensa o poder numa lógica “bottom-up”, o contrário da 
lógica vertical e unidirecional com que o establishment tem exercido 
a política. O exercício de uma democracia directa de matriz digital 
é permanente através do portal do M5S e do Blog de Beppe Grilo, 
transformando, curiosamente, o sistema representativo em simples 
instrumento do verdadeiro meio digital onde se processa a decisão 
política, a Rede. Numa palavra, a alternativa aos partidos 
tradicionais não só já está formulada como já está criada, sendo já 
politicamente maioritária e vencedora em Itália. Coisa que, de resto,
já se previa. Ao mesmo tempo, assistimos à débâcle do Partido 
Democrático. E não só pelas proverbiais tendências suicidas da 
esquerda italiana, mas sobretudo pela evolução estrutural da 
sociedade italiana e da cidadania. (Sobre o M5S veja o meu ensaio: 
A Política e a Rede: os casos italiano e chinês)

O que está a mudar

Gostaria, pois, de dizer algumas palavras sobre esta questão. 
Tradicionalmente, os partidos de esquerda viam a participação 
política ancorada sobretudo no “sentimento de pertença” e na “ética 
da convicção”. A decisão política era motivada sobretudo por este 
sentimento. A partir dos anos cinquenta do século passado, mas 
sobretudo dos anos noventa, com a expansão dos media, começou a 
impor-se a tendência para a emergência de um indivíduo informado 
e portador de múltiplas pertenças, que não só da partidária. 
Com a rede, esta tendência não só evoluiu como tornou este indivíduo 
ainda mais autónomo. Viria a ser designado como “prosumer”, como 
consumidor e produtor de informação e de política, capaz de se 
auto-organizar e de se automobilizar, rapidamente, de modo flexível 
e de forma temática. Este indivíduo ainda não foi devidamente 
reconhecido pelo tradicional sistema de partidos, que se continuou 
a reproduzir de forma orgânica e endogâmica, perdendo cada vez mais 
o contacto com uma cidadania que, entretanto, se transformou 
radicalmente. As novas plataformas de auto-organização e de 
automobilização já estão no terreno e chamam-se, por exemplo, 
MoveOn.org ou Meetup e já conhecem um poderoso desenvolvimento 
nos Estados Unidos. Ora o M5S – que utilizou a plataforma Meetup - 
trabalha sobretudo neste registo e faz-se intérprete da literacia 
digital, em particular daqueles que serão os futuros dirigentes, 
os jovens de hoje e, em parte, já os de ontem.
Esta mudança já está em curso em todo o mundo, sobretudo se tomarmos 
em consideração dois dados muito simples: mais de metade da população
mundial é user na Rede e cerca de dois biliões de pessoas têm 
Facebook.
A Itália representa, assim, uma fase avançada desta tendência 
estrutural, estando já a operacionalizá-la politicamente, atendendo 
à expressividade da votação conseguida pelo M5S. E esta é, sim, a 
grande novidade do caso italiano.

E agora, Presidente Mattarella?

Acontece que o sistema eleitoral italiano, uma combinação de
maioritário simples para 37% dos mandatos com 61% de proporcional 
levou, como era de esperar, à fragmentação partidária, impedindo 
o vencedor de governar por falta de mandatos que garantam a aprovação
do programa de governo e a estabilidade governativa. Mesmo assim, é 
dever do Presidente da República, Sergio Mattarella, indigitar ou um 
expoente da coligação de direita vencedora (mas somente com 35,8%) 
ou Luigi di Maio, do M5S (com 32,7%). De qualquer modo, nenhum terá 
condições para formar governo se não conseguir uma coligação que 
sustente estavelmente o governo. E não creio que possa haver uma 
coligação entre a coligação vencedora e o M5S. Assim, a única 
coligação que poderia garantir numericamente uma maioria absoluta 
seria a do M5S com o PD, estando esta possibilidade já em cima da 
mesa e começando a provocar fortes fricções no interior do PD, 
onde uns querem ir para a oposição e outros experimentar a aliança, 
embora a esmagadora maioria dos dirigentes pareça preferir ir para 
a oposição. O que se compreende, perante o risco de o PD poder vir 
a ser fagocitado pelo M5S e reduzido a partido insignificante. 
De resto esta solução até poderia vir a provocar outras cisões, 
a acrescentar à que já se verificou, com os resultados que conhecemos.
A Itália, por outro lado, tem uma longa tradição de governos 
institucionais e uma pequena tradição de governos minoritários, 
por isso, a solução parece inclinar-se mais para um governo de tipo 
institucional do que para uma solução estritamente política, de 
difícil concretização.

Conclusão

De qualquer modo, estamos perante três factos que devem fazer pensar
as forças políticas que têm vindo a assegurar a governação na maior 
parte dos países da União Europeia, sendo também certo que, aqui, 
algumas forças de governo actuais já manifestam claras tendências 
anti-sistémicas: (a) reforço claro da extrema direita, com um score 
eleitoral de cerca de 22%; (b) forte afirmação de uma força política 
de novo tipo claramente alternativa aos partidos tradicionais; (c) 
queda dos partidos tradicionais. Acresce ainda o reforço 
significativo da tendência anti-imigração e a ruptura da tradicional 
posição pró-União da Itália.
A Itália sempre foi politicamente muito complexa e, algumas vezes, 
pioneira. É um caso a seguir com muito interesse, precisamente pela 
consistência que o neopopulismo digital italiano tem vindo a 
demonstrar e que nestas eleições (já dera sinais evidentes nas 
anteriores eleições locais, ao conquistar Roma e Turim) reforçou 
ao ponto de se tornar inequivocamente o primeiro partido político 
italiano, seja na Câmara dos Deputados seja no Senado. E, 
naturalmente, no País.





 

Anúncios

2 thoughts on “Artigo

  1. Que magnífica recensão, Professor, muito obrigada!

    Uma descrição e uma caracterização excelentemente claras e pedagógicas, que li, reli… E relerei várias vezes. E já partilhei!

    Beijinho com admiração, Fernanda

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s