Poesia

BIANCO&NERO

Poema de João de Almeida Santos.
Ilustração – “Bianco&Nero”. Original
do Autor para este poema. Julho de 2018.

Desenho_BranconoNegroRecorte

Bianco&Nero. JAS, 2018.

 

ENTRE O BRANCO
E O NEGRO
Quis desenhar
A tua alma
Na flor que,
Num acaso,
Encontrei, perdida,
No jardim
Da minha vida...

 ATRÁS DE TI,
Ou em fuga,
Já nem sei,
Gastara
Todas as cores do
Arco-íris
Que tinha
Dentro de mim.

 SOBRARA-ME
Uma marmórea
Nébula negra
De travertino
Onde me revia
Como espelho
Oracular,
Curvado sobre mim, 
Escuro na alma,
Por falta
Das cores exuberantes
Que me protegiam
Do frio glacial
Do teu silêncio.

 SOPREI FORTE
Com a alma
Desnuda
E a flor branca
Foi pousar suavemente
Nesse mármore
Liso e brilhante
Da catedral
Onde te celebrava.

 E FICASTE ASSIM,
A branco e negro,
Em tinta-da-china
Esparsa,
Derramada
Sob a alvura
Do sol brilhante
Em que te via...
.................
Como uma flor!

 ESCULPI-TE
Como filigrana
De ouro preto
Sobre branco-pérola,
Aurífice da tua
Alma sedutora
No coração
Alvoraçado
Dessa flor
Que guardei
Com o teu nome
Gravado
Em letras invisíveis...

 CRIEI PARA TI 
Alvas incrustações
Sobre filigrana
Negra
Como marcas
Indeléveis
Da arte
Que um dia
Me visitou
Na celebração
Da tua beleza.

 E AGORA,
A olhar para
O branco e o negro
Deste cântico
Desenhado,
Ofereço-te
Este poema
Sobre pintura
Imaculada
Onde te celebro
Com beleza
Minimal,
Na cor
E na forma,
Sem fronteiras,
E onde
Te reinvento,
Em fuga,
Como esse subtil
Fio branco
Que esvoaça,
Livre,
No marmóreo céu
Do teu altar...

 A ÂNCORA, ESSA,
A sul,
Desliza
Suavemente
Sobre ti 
E dilui-se na 
Negra vastidão...
 
EVOCO-TE, ASSIM,
A branco e negro
E canto-te
Como alma em
Filigrana
De ouro preto
Em repouso sobre
O branco-pérola
Dessa flor
Que, um dia, 
Encontrei
No jardim
Da minha vida...

Desenho_Bianco&Nero_Recorte

 

Anúncios

3 thoughts on “Poesia

  1. Publico o comentário da Prof.ra Maria Neves ao meu Poema “Bianco&Nero”.

    “Estamos perante um poema com uma riquíssima expressividade emocional conseguida através de lexemas cuidadosamente bem selecionados e uma opção estética-discursiva primorosamente bem cuidada. Atente-se, por exemplo, na singularidade destes versos:

    “SOBRARA-ME/Uma marmórea/Nébula negra/De travertino/Onde me revia/Como espelho/Oracular,/Curvado sobre mim,/Escuro na alma,/Por falta/Das cores exuberantes/Que me protegiam/Do frio glacial/Do teu silêncio”.

    Descodifiquemos: a leveza das redondilhas, a par de aliterações nasais ( “nébula negra”), das metáforas e das imagens (“como espelho/ oracular” ), dos oxímoros e das hipálages (“Do frio glacial/Do teu silêncio”), das rimas interiores (“frio glacial”; “oracular/curvado sobre mim”), do ritmo breve e sincopado, evidenciam a mestria da arte poética de João de Almeida Santos (JAS).
    A diversidade cromática – patente em inúmeras poesias de JAS- dá lugar, neste poema, à polaridade do branco e do negro, de cuja simbiótica ressoa uma pluralidade simbólica e semântica, claramente assumida pelo sujeito poético: “Gastara/Todas as cores do/Arco-íris/Que tinha/Dentro de mim”.
    Todo este claro/escuro se repercute num entrelaçar entre o viver e o poetar, entre a iluminação da criação poética e a opacidade do silêncio e do vazio existenciais…Mas não será a opacidade da alquimia do poetar/viver que, no fluir dos dias e no devir temporal, tem animado e inspirado os POETAS? JAS confidencia, empaticamente, ao leitor:

    “Dessa flor
    Que, um dia,
    Encontrei
    No jardim
    Da minha vida…”

    Que essa flor continue a brotar poemas…”

    • João De Almeida Santos.
      Obrigado, Prof.ra Maria Neves. Sim, a poesia radica na vida, com as suas transparências e o seu lado obscuro. A pintura está a ajudar-me a desvelar o que se processa em mim como poeta nesse mundo que revisito como se se tratasse de um jardim. Ajuda e complica, porque os jardins também têm o outro lado, quando as flores murcham e declinam. Têm o lado luminoso, mas também o lado nostálgico e despido, quando no inverno os visitamos. Mas mesmo aí são belos… e ficamos a aguardar o reflorescimento, as explosões de cor, os aromas… A vida também é assim, se for assim que a virmos… A poesia para mim é uma porta de entrada para uma certa visão do mundo, da vida. A sua ductilidade permite-nos captar dimensões que o olhar normal não capta. Mas, claro, para isso não bastam os recursos estilísticos, é preciso ter sensores e estímulos que os interpelem, os desafiem… De certo modo. é preciso deixar-se ir um pouco ao sabor da correnteza e do fascínio natural da realidade, reinventando-a, sobretudo quando ela parece ser mais fugidia… Mais uma vez o meu obrigado, Caríssima Professora. Prometo seguir em frente com redobrada energia…

  2. … Por certo apenas em “Bianco” “&” “Nero”, mas sempre refletindo a riqueza de “Todas as cores do Arco-íris”. Estas, mesmo gastas, como que continuando a completar a sonoridade do Poema…porque sempre imaginadas pelo leitor. Onde cabe também o “branco-pérola”…

    Professor, que bonito!!

    Um Poema, que além de fantástico, é delicado e glamoroso… Afinal, assim é a filigrana. Um trabalho onde nenhumas mãos alguma vez de atreveram a pousar ou, sequer, tocar!

    Já nem sei o que dizer para não me repetir. Porque todos os Poemas são obras de arte reais verdadeiramente extraordinárias! E os jogos entre palavras, cores e formas, ainda mais extraordinários!! Meticulosamente escolhidos… Porque se sente tal… E invadem o leitor de profundo encantamento…

    Com muita (e muita) admiração, fp

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s