Poesia

CANTA, POETA, CANTA!

Poema de João de Almeida Santos.
Ilustração: "Auto-Retrato de um Poeta". 
Original de minha autoria. Julho de 2019.
Jas_AutoR210719Boca

“Auto-Retrato de um Poeta”. Jas. 07-2019

“Ora al nuovo sole si affidano i nuovi germogli” 
Virgílio

POEMA – “CANTA, POETA, CANTA!”

CANTA, POETA, CANTA
Até que ela
Te ouça,
Nem que a palavra
Te doa
E a alma
Estremeça.

CANTA, POETA, CANTA
Que o teu poema
Tem dor
Que te baste
No amor
E tem cor
Que alumia
E tem sabor
A cerejas
Que as dá
A Primavera.

SE NO CANTAR
Tu quiseres
Atingir o infinito
Salta pra cima
Dum risco,
Agarra asas
De azul
E voa
Nesse teu céu
Até que ela
Te veja,
Te pinte
Numa cereja
E murmure
Este teu nome
Em silêncio
De igreja...

CANTA, POETA, CANTA
Que o teu cantar
É meu choro
E é água
Cristalina
Que corre
Lesta
Em seu rio
À procura de beleza
Num infinito
Adeus
Beijado
Pela tristeza.

CANTA, POETA, CANTA
Que contigo
Cantarei
A alvorada do dia,
Chora, que eu
Chorarei
Se não houver
Alegria,
Ri, que
Eu sorrirei
Animado por teu
Riso
E para ti
Dançarei
Uma valsa
De Strauss
Às portas
Do Paraíso.

CANTA, POETA, CANTA
Até que ela
Te ouça,
Não pares
De chorar alto,
Na montanha,
No planalto,
Num poema
Ou num desenho,
Numa cor
Em aguarela,
Afagado
Pela dor
De não a veres
À janela.

CANTA, POETA, CANTA,
Para ti
E para o mundo
Que o teu cantar
Enobrece
Quem ouvir
A tua prece,
Quem sentir
O teu lamento,
Que de ser
Já tão profundo
Não o leva
Nem o vento
Pois em ti
Ele entardece.

E SE O VENTO
O levar
Vai procurá-la
A ela,
Dobra lento
A esquina
Pra que a vejas
À janela
Num dia que 
É de festa
Sem cortinas
No poema...

MAS SE O VENTO
Não soprar,
O lamento
 Lá regressa
Ao poeta
Que o cantou
Pois não era
Dele o dia
Mas de quem
O castigou...

CANTA, POETA,
Canta
Que um dia há-de
Ouvir...
...................
Deixa, pois, que o
Tempo passe,
Que a razão
Se esclareça
E confia no porvir...

 CHORA, POETA,
Chora,
Neste teu
Entardecer
Aqui tão perto
Da arte
E saudades
De morrer...

CHORA, POETA, 
Chora,
Até que rompa
A aurora
Deste longo
Anoitecer...
Jas_AutoR210719BocaR

“Auto-Retrato de um Poeta”. Detalhe.

3 thoughts on “Poesia

  1. Quem, por estes dias, em pleno cálido Julho de 2019, se deparar com esta poesia “CANTA, POETA, CANTA!” e outros tantos poemas de João de Almeida Santos (JAS), depara-se – já não com estrofes esparsas e versos fortuitos e casuais – mas com uma poética e um estilo. Como diz Buffon (1707-1788), “Le style, c’est l’homme même” no famoso ensaio Discours sur le style, escrito em 1753 (1).
    A Poética de JAS tem uma matriz estilístico-formal e estética, plasmada em versos marcados por intertextos implícitos ou explícitos e por contaminações de poetas nacionais e internacionais, reveladores da sua cultura literária.
    É uma Poética que tem, assumidamente, um estilo narrativo, com versos plenos de musicalidade, de assonâncias, de rimas toantes e consoantes, com estrofes de liberdade rimática e rítmica, numa cadência harmoniosa, em linha com a arte poética clássica e contemporânea.
    É uma Poética marcada pela dor, pela ausência e pelo silêncio do objecto amado – real ou imaginado – pela nostalgia e pelo spleen baudelairiano (“MAS SE O VENTO/Não soprar,/O lamento/ Lá regressa”).
    Mas é sobretudo uma Poética que prima pelo prazer de versejar, de poetar, superando a dor e transcendo-a em poemas com que brinda, dominicalmente, os seus leitores deixando para a posteridade a perenidade do seu cantar… “CANTA, POETA, CANTA” – este verso inicial, anafórico, convoca logo o leitor para a comunhão da leitura do poema, levando-o a cruzar estes (aparentemente) alegres versos com a quadra pessoana: “Ela canta, pobre ceifeira,/julgando-se feliz talvez; Canta, e ceifa, e a sua voz, cheia/De alegre e anónima viuvez” (2). Tal como Pessoa, também JAS escalpeliza no seu poetar a introspecção sentida e a dor íntima e profunda do seu estado de alma…
    Contrariamente a Bocage que, no conhecido poema Auto-Retrato (3), se auto-caracteriza física e psicologicamente numa sinceridade comovida tão ao gosto romântico – (“Magro, de olhos azuis, carão moreno (…) Mais propenso ao furor do que à ternura;”) – JAS optou por reflectir – apenas e tao-só – a sua paisagem interior, nunca aludindo aos seus traços físicos. Estes, sim, ficaram somente na ilustração que antecede o poema.
    Vejamos, então, como é construída a paisagem interior nesta poesia onde conflui uma miríade de registos discursivos diversos. Desaguam, assim, neste texto poético: a orquestração musical dos versos (as vogais abertas em Canta e Chora, a repetição do imperativo e a apóstrofe que o sujeito poético faz ao próprio Poeta); os lexemas cromáticos e sinestésicos (“E tem sabor/A cerejas/Que as dá/A Primavera; (…) Agarra asas/De azul”); os elementos pictóricos (“num desenho,/Numa cor/Em aguarela,/Afagado/Pela dor/De não a veres/À janela”); as notações do sagrado e do infinito como numa ascese (“E para ti/Dançarei/Uma valsa/De Strauss/Às portas/Do Paraíso”); e os sinais de uma fina e subtil sensualidade que se adivinha na tessitura poética (“À procura de beleza/Num infinito/Adeus/Beijado/Pela tristeza”).
    Bela poesia esta! Por isso, daqui um apelo a JAS para publicar um livro com esta e outras poesias tal como fez com o seu romance Via Dei PORTOGHESI que, curiosamente, é uma sugestão de leitura na Revista do Expresso de 20 de Julho de 2019 (nº 2438, p. 63).

    (1)Buffon (1753). Discurso sobre o Estilo, trad. Morão, A. (2011). Covilhã: LusoSofia Press, p. 3.
    (2) Pessoa, F. (1995). Poesias. Lisboa: Ática, p.108.
    (3) Bocage (1992). Poesias de Bocage. Lisboa: Comunicação, p. 38.

  2. Maria Neves Leal Gonçalves
    “Quem, por estes dias, em pleno cálido Julho de 2019, se deparar com esta poesia “CANTA, POETA, CANTA!” e outros tantos poemas de João de Almeida Santos (JAS), depara-se – já não com estrofes esparsas e versos fortuitos e casuais – mas com uma poética e um estilo. Como diz Buffon (1707-1788), “Le style, c’est l’homme même”, no famoso ensaio “Discours sur le style”, escrito em 1753 (1).
    A Poética de JAS tem uma matriz estilístico-formal e estética, plasmada em versos marcados por intertextos implícitos ou explícitos e por contaminações de poetas nacionais e internacionais, reveladores da sua cultura literária.
    É uma Poética que tem, assumidamente, um estilo narrativo, com versos plenos de musicalidade, de assonâncias, de rimas toantes e consoantes, com estrofes de liberdade rimática e rítmica, numa cadência harmoniosa, em linha com a arte poética clássica e contemporânea.
    É uma Poética marcada pela dor, pela ausência e pelo silêncio do objecto amado – real ou imaginado -, pela nostalgia e pelo spleen baudelairiano (“MAS SE O VENTO/Não soprar,/O lamento/ Lá regressa”).
    Mas é sobretudo uma Poética que prima pelo prazer de versejar, de poetar, superando a dor e transcendendo-a em poemas com que brinda, dominicalmente, os seus leitores, deixando para a posteridade a perenidade do seu cantar… “CANTA, POETA, CANTA” – este verso inicial, anafórico, convoca logo o leitor para a comunhão da leitura do poema, levando-o a cruzar estes (aparentemente) alegres versos com a quadra pessoana: “Ela canta, pobre ceifeira,/ julgando-se feliz talvez; Canta, e ceifa, e a sua voz, cheia/ De alegre e anónima viuvez” (2). Tal como Pessoa, também JAS escalpeliza no seu poetar a introspecção sentida e a dor íntima e profunda do seu estado de alma…
    Contrariamente a Bocage que, no conhecido poema Auto-Retrato (3), se auto-caracteriza física e psicologicamente, numa sinceridade comovida tão ao gosto romântico – (“Magro, de olhos azuis, carão moreno (…) Mais propenso ao furor do que à ternura;”) – JAS optou por reflectir – apenas e tão-só – a sua paisagem interior, nunca aludindo aos seus traços físicos. Estes, sim, ficaram somente na ilustração que antecede o poema.
    Vejamos, então, como é construída a paisagem interior nesta poesia onde conflui uma miríade de registos discursivos diversos. Desaguam, assim, neste texto poético: a orquestração musical dos versos (as vogais abertas em Canta e Chora, a repetição do imperativo e a apóstrofe que o sujeito poético faz ao próprio Poeta); os lexemas cromáticos e sinestésicos (“E tem sabor/A cerejas/Que as dá/A Primavera; (…) Agarra asas/De azul”); os elementos pictóricos (“num desenho,/Numa cor/Em aguarela,/Afagado/Pela dor/De não a veres/À janela”); as notações do sagrado e do infinito como numa ascese (“E para ti/Dançarei/Uma valsa/De Strauss/Às portas/Do Paraíso”); e os sinais de uma fina e subtil sensualidade que se adivinha na tessitura poética (“À procura de beleza/Num infinito/Adeus/Beijado/Pela tristeza”).
    Bela poesia esta! Por isso, daqui um apelo a JAS para publicar um livro com esta e outras poesias tal como fez com o seu romance VIA Dei PORTOGHESI que, curiosamente, é uma sugestão de leitura na Revista do Expresso de 20 de Julho de 2019 (nº 2438, p. 63).
    (1)Buffon (1753). Discurso sobre o Estilo, trad. Morão, A. (2011). Covilhã: LusoSofia Press, p. 3.
    (2) Pessoa, F. (1995). Poesias. Lisboa: Ática, p.108.
    (3) Bocage (1992). Poesias de Bocage. Lisboa: Comunicação, p. 38.

    • João De Almeida Santos.
      Nem sei que dizer, Cara Prof.ra Maria Neves. Mas talvez deva dizer que farei tudo para merecer o que reconhece na minha poesia. Que é tanto! Eu procuro colocar-me a nível profissional no exercício poético sem deixar que os imperativos da minha existência singular não o determinem, sem deixar de espelhar nele o que vou sentindo, até exercitando a dor, a melancolia, a tristeza no plano existencial (deixando-me ir nos momentos de maior sensibilidade e fraqueza) para depois as elevar a um plano poético. Sim, em cada poema procuro a musicalidade, independentemente da rima, ou com ela. É também verdade que o estilo é narrativo, que até pode ser a história de um instante intenso, de um baque emocional, de um “insight”. E talvez evolua para um pano de fundo mais intensamente sensual, embora tenha plena consciência de que a minha poesia não resulta de um puro acto de vontade ou da vontade pura. Algo induz sempre os poemas, dependendo também da abertura da minha sensibilidade ou de acasos fortuitos da vida quando ela se mete comigo ou me provoca. A pintura ajuda-me muito. Permite-me dizer o que não consigo num poema. Nem que seja somente o próprio acto de pintar… E, sim, há em tudo isto um imenso viajar pela minha paisagem interior, desnudando-me talvez mais do que eu próprio desejaria. Mas é esta a beleza da poesia: não sabermos onde acaba a vida e começa a fantasia. “Poi piovve dentro a l’alta fantasia”, dizia o Dante Alighieri na “Divina Comédia”. Sim, na minha também chove muitas vezes, só que não fico molhado, mas enxuto, demasiadamente enxuto, mesmo quando troveja e a bátega é intensa. Tem sido assim. Demasiado assim. Mas que chova na alta fantasia para que haja poemas, quadros e romances. E mil vezes o meu obrigado pelo tempo e o empenho que há muito dedica aos meus poemas. A caminhada não seria tão bela sem a Professora. Um abraço.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s