Poesia-Pintura

A EROSÃO DO TEMPO

Poema de João de Almeida Santos.
Ilustração: “Entardece no Jardim”.
Original de minha autoria
para este poema. Junho de 2020.
JardimJAS1406_2

“Entardece no Jardim”. Jas. 06- 2020.

POEMA – “A EROSÃO DO TEMPO”

ENTARDECE NO JARDIM,
Entrevejo-te
Por entre folhas
De um arbusto,
Ao longe,
Uma imagem
Desfocada...
...............
O sol cai
No horizonte,
Vejo, apenas,
Um perfil
Esfumado,
Nuvem cinzenta
Arrastada
Pelo vento
Para lá desta
Montanha,
Meu alento,
Minha fada.

VIRO-ME
Para dentro
De mim
E o meu olhar
Interior
Confunde-se
Com o teu
E já nem sei
Se és tu
Ou se essa imagem
Um pouco baça
Serei eu.

O TEMPO
Esculpe o rosto
Na memória
Dos afectos
E só vejo
O que de ti
Me sobrou,
Retrato
De pouca cor
Composto
Ao ritmo
De suspiros...
............
E tanta dor.

NÃO FOSSE A POESIA
E restarias
Nuvem no céu
Entre o azul
E o branco
Desta minha
Fantasia,
Ponte espectral
Entre mim
E a deusa que
M’ilumina
Por dentro e
Por fora,
Um clarão irreal
Que cega
E me comove...
...............
Como quem chora.

AH, MAS O POEMA
Dá-te vida,
Dá-te luz
E dá-te cor,
Enche-te a alma
De emoção,
Interpela
Todo o teu ser
E rompe
Este minha
Tão sofrida
Solidão.

MAS EU TEMO
Encontrar-te
E já não saber
Quem tu és
Por há muito
Navegar
Outras ondas
E marés
Tão longe
Desse teu mar...
JardimJAS1406_2 - cópia

“Entardece no Jardim”. Detalhe.

3 thoughts on “Poesia-Pintura

  1. 1.Poesia belíssima, construída à base de uma narrativa poética carregada de emoção lírica. Está eivada de um sentimentalismo melancólico que evoca fragmentos de um percurso biográfico real ou ficcionado (“E só vejo/O que de ti/Me sobrou,/Retrato/De pouca cor/Composto/Ao ritmo/De suspiros…”). Os elementos da natureza selecionados (jardim, folhas, arbustos…) e a hora crepuscular (entardecer) criam uma atmosfera romântica propícia ao amor.
    2.A par da subjetivação e da introspeção (“VIRO-ME /Para dentro/De mim/E o meu olhar/Interior”), há, neste poema – como, aliás, em outras poesias de João de Almeida Santos (JAS) – laivos do universo poético pessoano quando JAS se adentra numa análise racional e distanciada que opera sobre o eu e sobre o seu relacionamento amoroso: (“MAS EU TEMO/Encontrar-te/E já não saber/Quem tu és/Por há muito/Navegar/Outras ondas/E marés/Tão longe/Desse teu mar…”).
    3.Os campos semânticos e metafóricos convocados estão num crescendo (navegar, ondas, marés, mar..) e sublinham a separação, a ausência e a solidão. O ato de escrever poesia e de poetar é uma forma de sublimação e de recreação… A fruição estética do autor contamina o leitor e interpela, enfaticamente, a mulher, num dialogismo baktiano (1), criando uma aura de familiaridade e de cumplicidade:
    “AH, MAS O POEMA
    Dá-te vida,
    Dá-te luz
    E dá-te cor,
    Enche-te a alma
    De emoção,
    Interpela
    Todo o teu ser
    E rompe
    Esta minha
    Tão sofrida
    Solidão!”.

    4. Esta poesia, à semelhança de outras de JAS, espelha – ou antes, deixa perceber – a oficina de escrita depurada da matéria literária. JAS trabalha a forma e esculpe os versos. Vejam-se, a título de exemplo, os primeiros versos do poema (entardece/ entrevejo-te, cujo presente sublinha o momentâneo e cujas sonoridades são conseguidas pelas expressivas aliterações em – ent ). É um jogo literário fascinante.

    Referência
    Bakhtin, M. (2003). Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes

  2. Sim, Professora, eu não creio que a forma seja tudo, mas é extremamente importante, sobretudo em poesia. O ritmo, a leveza estilística, a melodia, a simplicidade, o crescendo são decisivos numa poesia. Procuro sempre uma espécie de apoteose final. E procuro sempre estes elementos até que consiga atingi-los para dar por terminado o poema. Mas há algo que tem de estar no arranque do poema: a história que quero contar, movida por um estímulo. Às vezes até pode ser a falta dele que me move. O estímulo é mais do que um tema. É algo que me toca em profundidade. Ou seja, não se trata de mero exercício intelectual a que depois dê forma poética. A poesia começa logo no princípio, na predisposição, na vocação, ou melhor, trata-se de um ethos, o ethos poético. E também confirmo que muitas ideias de Pessoa (sobretudo do Bernardo Soares) me motivam. Sobretudo a sua posição sobre o real. A ideia de que o poeta se coloca entre si e o mundo, num intervalo que lhe permite observar com distanciação para não sofrer de contaminação e se deixar arrastar pela emoção. Só esse intervalo lhe abre espaço para trabalhar a escrita em plena liberdade. Mais uma vez lhe fico grato pela atenção que dá à minha obra e pelo cuidado que põe na análise. Aprendo sempre consigo. Por isso obrigado. Um abraço amigo do JAS.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s