Artigo


OBAMA E A CRISE EPISTEMOLÓGICA

Por João de Almeida Santos

ObaBarack

“S/Título”. Jas. 12-2020.

À memória de Eduardo Lourenço,
com carinho

BARACK OBAMA acaba de lançar o seu livro, “A Promised Land” (Crown Publishing Group, 2020,  768 pág.s). Sobre o livro, o ex-Presidente americano tem dado várias entrevistas. É sobre o que diz nelas que me debruçarei. Mas começo por dizer que, depois da Presidência Trump, a figura de Obama se elevou. A sua foi uma presidência serena e competente, embora não esteja isenta de críticas, como é natural. Mas não é essa apreciação que aqui proponho. O que proponho é uma reflexão que parte de algumas suas afirmações nestas entrevistas, em particular nas que deu a “The Atlantic” (publicada pela Revista do “Expresso”, de 27.11.2020, pp. 40-51) e ao Director de “El País” (publicada em 18.11.2020).

A Crise Epistemológica

E COMEÇO pela sua afirmação de que “estamos a entrar numa crise epistemológica”. Isto dito por um universitário teria um valor, ou um significado; dito por um ex-presidente dos Estados Unidos tem outro. Porque esta afirmação está ancorada na visão de quem protagonizou, durante oito anos, a política mundial a partir do seu mais poderoso centro de comando. E, ainda por cima, por um Presidente com uma sólida formação intelectual e académica (nas Universidades de Columbia e de Harvard).

Esta afirmação foi feita a propósito da grande revolução que as redes sociais provocaram na relação cognitiva dos cidadãos com a realidade: uma crise epistemológica, ou seja, uma crise do modelo cognitivo que subjaz à apreensão intelectual da realidade pelos cidadãos. Uma crise, portanto, que atinge o conhecimento na sua infraestrutura cognitiva. Em palavras simples, poderia dizer que, até ao advento da rede, a relação cognitiva dos cidadãos com a sociedade era intermediada por agentes que detinham o monopólio da representação social da realidade, ou seja, pelos media. Existia como que uma certificação do conhecimento e da informação acerca da sociedade porque ambos estavam confiados a profissionais claramente identificados, encarregados de selecionar o que merecia socialmente ser conhecido, a quem poderiam ser imputadas responsabilidades pelo que comunicavam e que agiam no interior de códigos éticos que deveriam respeitar, estando até sujeitos a sanções (que poderiam ir até à retirada da carteira profissional). A estes códigos (o primeiro de que há registo é o Código Harris, de 1690, e o que se reconhece como sendo o primeiro código ético efectivo é o Código do Kansas, de 1910)  viriam juntar-se as entidades reguladoras (em Portugal, a actual ERC e a anterior Alta Autoridade para a Comunicação Social), que também garantiam a correcção de procedimentos e, sobretudo, a liberdade de imprensa.

A emergência das redes sociais veio, todavia, alterar o paradigma na medida em que abriu o acesso não só à informação, mas também à livre produção pública de informação pelos cidadãos, tendo, deste modo, acabado o monopólio do establishment mediático e o gatekeeping, o controlo do acesso ao espaço público. Assim sendo, é claro que no espaço público passou a circular não só informação não certificada como também as famosas fake news, tornando caótica a representação social da realidade que circula no espaço público e dando ao mesmo tempo poderosos instrumentos aos pescadores de águas turvas para atingirem fins que se situam fora do contexto democrático e das normas básicas de comunicação social. Ou seja, no espaço público passou a circular quer informação certificada quer informação não certificada, abrindo-se espaço para um uso puramente instrumental do espaço público, indiferente à normas que constam na generalidade dos códigos éticos e que regulam a prática informativa.

Uma Crise Anunciada

OBAMA vê Sarah Palin e o Tea Party como os agentes que introduziram em larga escala, por esta via (mas não só), no espaço público americano perigosos e disruptivos valores capazes de pôr em causa a tradição que remete para o pais fundadores da democracia americana. Trump acabaria por acolher de forma mais radical esta tendência, manifestando-se como um seu evidente, radical e poderoso representante, mas também como um seu forte acelerador. Com ele, a chamada crise epistemológica acentuou-se, passando a mentira a valer tanto como verdade na bolsa epistemológica de valores e de conhecimento. Ou seja, em termos de comunicação de massas, deixou de se saber o que é verdade e o que é mentira. Uma gigantesca amálgama, existindo para isto um seu forte acelerador tecnológico, o Twitter, ancorado, ainda por cima, na “auctoritas” presidencial (que nos Estados Unidos tem um altíssimo valor simbólico). Esta tendência foi entretanto reforçada pelo trabalho das grandes plataformas sobre os perfis dos usuários com objectivos puramente pragmáticos de previsão de comportamentos para uso comercial ou mesmo para uso político, como se verificou com a Cambridge Analytica ou como se está a verificar com as grandes plataformas que vendem “comportamentos futuros” dos users aos seus clientes. Uma análise minuciosa deste processo desenvolvido pelas grandes plataformas é feita no livro de Shoshana Zuboff, The Age of Surveillance Capitalism, de 2019, e já deu origem a um apocalíptico documentário da NETFLIX sobre as redes sociais (como já aqui tivemos ocasião de ver e cuja recensão será em breve aqui publicada).

Obama fala dessa dupla dimensão da rede e das TICs: quer como tecnologias da libertação quer como instrumentos de insurgência. Cito uma significativa passagem da entrevista que deu a “El País”:

“A tecnologia é um exemplo da rápida mudança das coisas. O Iphone chegou em 2007. Há pouco mais de dez anos. Ao princípio, pensávamos que (as redes sociais) só trariam coisas boas, mas logo começámos a ver o seu lado obscuro. Durante a Primavera Árabe, as pessoas convocavam-se para a praça da Libertação através do Facebook e do Twitter para protestar contra a repressão do regime de Mubarak e para pedir mais democracia, mas, poucos anos depois, o ISIS começou a usar a mesma tecnologia para recrutar terroristas. De repente, apercebes-te de que a ferramenta que podem usar as crianças de uma remota aldeia de África para aceder às bibliotecas de todo o mundo é a mesma que se usa em Myanmar para promover a limpeza étnica e a opressão contra os rohingyas”.

 Ou seja, se a desintermediação do acesso ao espaço público e a livre comunicação universal tornada possível pelas chamadas tecnologias da libertação e pelas redes sociais permite um seu uso para fins generosos e civilizacionalmente avançados, elas também permitem um uso criminoso e atentatório dos mais elementares valores humanos. Que fazer, então? Que posição assumir perante esta extraordinária invenção?

Os Valores do Rap 
e a Cultura de Massas

Ou seja, havendo, na rede, o melhor, mas também o pior, a solução só pode ter, segundo Obama, dois caminhos: a) combinar a sua regulamentação pública com práticas corporativas que ajudem a evitar um uso fraudulento e criminoso e a minimizar danos; b) mas também desenvolver uma ofensiva no plano da educação, valorizando os valores de uma sólida e sã epistemologia que prepare os jovens para um uso consciente, informado e crítico das novas tecnologias. Esta orientação tem pela frente, no pano social, uma realidade muito difícil que foi construída ao longo dos tempos pela própria cultura de massas, pela televisão e até pela música. Sabemos os danos que o tabloidismo desbragado do establishment mediático tem causado, através da “mass communication”, na cultura de massas. Mas Obama chega a falar dos efeitos deletérios da própria música rap, dos valores que estão dominantemente inscritos nas suas letras:

“tenho de me lembrar que, quando ouvimos música rap, é tudo sobre as jóias, as mulheres, o dinheiro”. São as métricas de sucesso de Donald Trump. “De repente”, continua, “começamos a ver ‘Lifestyles of the Rich and Famous’ com aquele sentido de que ou temos ou somos uns falhados. Donald Trump simboliza esse movimento cultural que está agora profundamente arreigado na cultura americana”. 

Mais claro do que isto não seria possível. Sobretudo vindo do primeiro Presidente negro dos Estados Unidos.

Conclusão

A situação é, como se vê, muito complexa, e não é exclusivamente atribuível às redes sociais como muitos, que perderam o monopólio do acesso à esfera pública, pretendem. O fenómeno é-lhes muito anterior, embora tenha sido acelerado com as redes sociais… e com Donald Trump na Presidência dos Estados Unidos. Mas, como ele reconhece, já não é possível voltar a meter o génio na garrafa, acabando com a internet ou com as redes sociais, tratando-se, de resto, de uma das mais profundas revoluções que a humanidade conheceu. Mas reconhece, isso sim, que é possível não só controlar o seu uso ilegítimo, desde que a política e as grandes plataformas o queiram, como, de resto, já tem vindo a acontecer, embora timidamente, mas também promover o seu bom uso, pela educação e pelo conhecimento. Se é verdade que uma visão apocalíptica do problema não resolve nada, até porque, de facto, não é possível voltar a meter no génio na garrafa, também é verdade que uma visão simplesmente integrada e não crítica acabará por permitir que o uso ilegítimo das redes sociais continue com as consequências nefastas que conhecemos. Uma coisa é certa: precisa-se de mais literacia da classe política sobre esta matéria. E o depoimento de Obama pode ajudar a isso, ele que usou, nas suas campanhas eleitorais, na linha de Howard Dean, as redes sociais como nunca antes acontecera.

ObaBarackR

“S/Título”. Detalhe.

1 thought on “Artigo

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s