Poesia

COR, MAIS COR…

POEMA de João de Almeida Santos.
Ilustração - Inédito de JAS: 
Poseidôn. Abril, 2018.
Volto a propor uma bela canção de 
Milva/Theodorakis:
Milva-Theodorakis - Sogno di Libertà

JASPaperaEsasperata2018_3.jpg

"Donde termina el arco iris, en tu alma o en el horizonte?"
Pablo Neruda
COR, DÁ-ME COR!
Fico mais perto 
De ti
Se vieres
Com o vento.
Cor, mais cor,
Que as palavras coloridas
Já me sabem 
A cinzento...

OU TALVEZ NÃO!
Palavras
Já não me faltam
Nem vivo
Na escuridão.
Ainda consigo
Dizer-te,
Com palavras
Dar-te a mão.

TENHO-AS
QUE ME CHEGUEM
Para gritar
Em vermelho 
O concreto
Do teu nome.
Ver-te, assim,
Tão colorida
No vidro do meu
Espelho
Sem que a tristeza
Assome!

AH! MAS A COR
SE FOR INTENSA
E crescer 
Em explosão, 
Se tiver
Em contraponto
Palavras
De evasão
Que dão ritmo
Ao azul
Dos teus sonhos
De papel...
..........
É tudo 
O que eu preciso
P’ra t’esculpir
A cinzel.

DÁ-ME COR
Que eu sou
Sensível 
À luz intensa
Do teu olhar!
Aprendo nas
Flores que
Colho,
Quando vestes
O vermelho,
Com azul
Como espelho,
Ou te cobres 
Com as cores
Do arco-íris
Que és.

AH!, VÊS
COMO TE CONHEÇO?
Tu és cor,
Gota d’água
Suspensa 
No fio 
Do horizonte
Banhado por 
Raios de sol
Que despontam
Lá no Monte.
 
DANÇAS COM ELA,
A cor, 
E com ela adormeces.
Por amor.
É sopro 
Da tua alma
Quando a vida 
Já é sonho...
...........
E te acalma!
 
MAS EU GOSTO
DE TE PINTAR
Com palavras.
Em maiúscula.
Onde o azul é 
Mais íntimo
E o verde 
Te cobre 
Como manto.
Onde o vermelho
É pranto
Sem lágrimas
De enxugar...
..........
Nem sequer
Em amarelo
P'ra melhor
Te recordar!

NA COR DAS MINHAS
PALAVRAS
Te revejo
As vezes 
Que eu quiser
Pois és mais
Do que desejo
Nos cânticos
Que compuser!

MAS EU GOSTO
Cada vez mais 
De cor...
............
Confundir-me 
Com ela,
Dançá-la 
Como vida 
Em explosão,
Fogo de artifício
Que embriaga
Os sentidos
Como se fosse 
Vulcão...

LEMBRO-ME 
DO POETA QUE PEDIA
“Mais luz!”,
Já em seu leito 
Fatal.
Tinha luz 
Dentro de si 
Mas não entrava 
Cor
Pelo portal.
Era cinzenta
A cor que lhe restava
Até escurecer
Quando a janela
Lentamente 
Se fechava...

LUZ É COR,
Desperta da 
Letargia,
Ressuscita
Do torpor.
Celebra a vida.
É cântico.
Chilreio de 
Passarinho
Lá no alto
Que anuncia 
O meu voo
Aos azuis
Que tu pintas
Em cobalto.
 
MAS A PALAVRA
FASCINA-ME.
É com ela 
Que eu te canto!
Com a cor danço
E voo!
Com ela, leio-te
A alma.
Na cor, a tua
Roupagem.
Com a palavra
Suspendo 
Os sentidos
Para melhor
Te sonhar
De todos os dias
Perdidos...
........
À deriva
No teu mar!

AH!, SIM,
Eu gosto 
É das palavras! 
E sabes porquê?
Porque tu cabes
Em quatro letras
Mesmo que o teu
Nome 
Tenha cinco
E me saiba a verde
De Primavera...

 

 

Anúncios

Poesia

ROSTO DE PEDRA…

Poema de João de Almeida Santos.
Ilustração – Jovem mulher com bâton.
“Estudo de uma jovem mulher” (1885), de
Gustav Klimt, (atrevidamente) retocado
por João de Almeida Santos

 

JASKlimtFinal250318

ENCONTREI-TE

POR ACASO
E caíste
Sobre mim
Naquelas escadas
Sem fim
Por onde descias,
Altiva,
Como senhora
Do silêncio
Austero
Que me devora.

É SEMPRE ASSIM
Quando te vejo.
Crispada,
Sobrolho
Franzido
E pesado,
Sofrido,
Em eterna
Revolta,
Anunciando 
Penitência
Neste incerto
Destino
Já sem regresso.

DOEU?

Muito.
Mas que importa?
É sempre sal
Sobre ferida
Que não cura,
Mal que dura
E que perdura
Uma vida…

A TEIA
QUE NOS TECE
E cobre
Este espaço
Que entretece
E nos domina
É como o tempo
Que marca,
Implacável,
O acaso
Que tudo determina.
 
VI-TE, SIM,
Nesse dia,
Recolhida
Sobre ti,
Estranha na cidade
Invisível
Onde te conheci.

E ASSIM ME NEGAS. 
E foges
Para lugar
Nenhum.
Corres, corres
Para onde
Nunca irás.
Escondes-te
Atrás do que
Desconheces
E de ti própria
Onde blasfemas
Contra o mundo
Onde não te
Reconheces!

A REVOLTA

Não sai
De ti
E petrifica
A tua alma.
 
É ÁSPERO, SIM,
ESSE TEU ROSTO.
Julgava-te
Já perdida
No silêncio
Da raiva
Surda
Contra mim,
Sem redenção,
Condenado
A grilhões
Que pesam
Como cativeiro.
 
CHAVES?
Ah!, sim,
Tantas são
As chaves que tens
E que não usas
Para me libertar!
 
TALVEZ NEM QUEIRAS
Porque também tu
Já és prisioneira
Da síndroma
Que te aprisiona
E te queima
Como fogueira.

CAÍSTE SOBRE MIM.
De repente,
Levantaste-te
Dessa sombra
Onde te encerras,
Te encobres
E vigias.
E atropelaste-me…
 
MAS NÃO ERA PRECISO,
Meu amor!
Todos os dias
O fazes.
Mesmo ausente…

Poesia

EU VI UM ANJO…

No Dia Mundial da Poesia,
hoje, 21 de Março,
ofereço este Poema
de João de Almeida Santos.
Ilustração: Vénus, de
Botticelli, re-reimagined 
por João de Almeida Santos 
a partir de Yin Xin
(2008) e de Botticelli (1490).

JAS_VenereYXin2103_Final

EU VI UM ANJO
CAIR
Docemente
Sobre mim
Com seu rosto 
Imaculado
Em momento
Inesperado
Que parecia 
Não ter fim...

VINHA ELE
Lá de bem alto
Onde eu
O pressentia
Mas tive 
Um sobressalto
Porque em mim
Esse anjo 
Imaculado
Não cabia.

SUA LUZ
ERA INTENSA
Ofuscava-me
O olhar.
O seu brilho 
Deslumbrava
E eu senti-me
Cegar...

MAS NÃO SEI
SE ERA ANJO.
Talvez fosse
Uma mulher.
E se não fosse
De arcanjo, 
Ah!, 
Não era um 
Rosto qualquer...

POR ISSO
ME FASCINOU,
Porque ao vê-lo
Descer
Do trono
Onde reinava,
Quase, quase
Me cegou
Com a luz
Que o transportava. 
E levou-me 
Ao Olimpo
Onde a arte
Lhe sobrava.

FIXEI-O, ENTÃO,
Num quadro 
De memória.
Traços leves,
Cores intensas 
Que cativam
O olhar.

PINTEI-LHE DE
NEGRO
O cabelo
Para mais belo
Ficar
E seu rosto
Feminil
Deste modo
Desvelar
Como mulher
Sensual
Que me veio
Capturar.

DESENHEI-A 
COMO BELO
Avatar
Que tomou
Conta de mim
Para sempre
Me lembrar
Que era 
Uma mulher
E não era
Querubim.

MAS VI 
UM ANJO,
Ah!, eu vi,
Entrar bem 
Dentro de mim
Sob forma
De mulher,
Porque anjo
Imaculado
Não cabia,
Infinito,
No meu pequeno
Jardim.

FOI MISTÉRIO
Que subiu
Ao oráculo
Da vida
Onde eu a
Posso ler 
Em texto 
Que só termina
No dia 
Da despedida,
Na hora em que 
Morrer.

EU VI UM ANJO
DESCER
Neste vale
Da minha vida
E ele fez-me
Crescer,
Recomeçar 
A partida...

E COM POEMAS
Parti
Em viagem
Ao Olimpo
Para com ele
Voar
Em cada palavra
Que digo,
Em cada verso
Que sinto!

Poesia

CANTA, POETA, CANTA!

Poema de João de Almeida Santos.
Ilustração: Auto-Retrato. Original de
João de Almeida Santos. Março de 2018.
Volto a repropor:
Marzo - Milva. Arietta di Salvatore di Giacomo
Para a letra e a tradução do napolitano, ver: Março.
* Comentários ao Poema infra: 6 THOUGHTS ON “POESIA”
JAS18032018
“Ora al nuovo sole si affidano i nuovi germogli”
Virgílio.
CANTA, POETA, CANTA
Até que Ela 
Te ouça,
Nem que a palavra
Te doa,
Nem que a alma 
T’estremeça!

CANTA, POETA, CANTA
Que o teu poema 
Tem dor
Que te baste,
No amor, 
E tem cor
Que alumia
E tem sabor
A cerejas,
Que as dá
A Primavera.

SE NO CANTAR
Tu quiseres
Atingir o infinito,
Salta p’ra cima 
Dum risco,
Agarra asas 
De azul
E voa
Nesse teu céu
Até que Ela 
Te veja, 
Te pinte
Numa cereja
E murmure
O teu nome
Em silêncio
De igreja...

CANTA, POETA, CANTA
Que o teu cantar 
É um choro.
E é água 
Cristalina
Que corre
Lesta 
Em teu rio
Seminal,
Dentro de ti,
Turbilhão
Arterial
À procura de beleza
No infinito
Fatal 
De um adeus
Beijado
Pela tristeza!

CANTA, POETA, CANTA
Que contigo 
Cantarei 
A alvorada do dia.
Chora, que eu
Chorarei
Se não houver 
Alegria.
Ri, que 
Eu cantarei
Animado por teu
Riso.
E para ti 
Dançarei
Uma valsa 
De Strauss
Às portas
Do Paraíso!

CANTA, POETA, CANTA
Até que Ela 
Te ouça.
Não pares
De chorar alto,
Lá em cima, 
Planalto
Ou montanha,
Poema 
Ou um desenho,
Uma cor
Em aguarela,
Afagado
Pela dor
Mesmo que olhes
P'ra ela
Com um intenso
Ardor 
Lá de cima
Da janela...

CANTA, POETA, CANTA,
Para ti 
E para o mundo
Que o teu cantar
Enobrece
Quem ouvir 
A tua prece,
Quem sentir
O teu lamento,
Que de ser
Já tão profundo
Não o leva
Nem o vento
Pois em ti
Ele entardece.

E SE O VENTO 
O LEVAR
Vai procurá-la
A Ela,
Dobra lento 
A esquina
P’ra que o veja
Da janela. 

MAS O DIA É DE
FESTA!
Há cortinas
No poema
E o lamento 
Lá regressa
Ao poeta 
Que o cantou.
O dia já 
Não é dele
Mas de quem 
O castigou.

CANTA, POETA, CANTA,
Que um dia vai-te 
Ouvir.
Deixa, pois, que o 
Tempo passe
E a razão se esclareça.
E confia no porvir.

CHORA, POETA, CHORA 
Neste teu 
Entardecer
Aqui tão perto
Da arte
Com saudades 
De morrer...

CHORA, POETA, CHORA... 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

.

 

 

 

Poesia

PRIMAVERA, QUASE

João de Almeida Santos
POEMA.
Ilustração: Primavera, Quase.
Original de João de Almeida Santos.
Março de 2018. 
Ilustração sonora de Milva,
em napolitano, sobre uma 
Arietta de Salvatore di Giacomo:
Marzo. Reproposição. 
Para a tradução, veja, aqui, Março.
Para ouvir Milva: 
Marzo - Milva. Arietta di Salvatore di Giacomo
                          Primavera, Quase

Pavão4
"Até nos nossos sonhos neva, mas uma única vez na vida". 
Orhan Pamuk, escritor turco. Prémio Nobel da Literatura.
PRIMAVERA, QUASE
SE ME PERGUNTASSES
PELA NEVE,
O que sempre te diria?
“- Tenho-a na minha
Alma,
Sinto-a, pura,
Em cada dia.”

DELA CONSERVO
O FRIO
E a brancura
Do seu manto,
Mas sinto-a quente
Por dentro,
Mesmo que sofra,
Em pranto.

ENTRA NEVE
NA PRIMAVERA
E dá húmus
Ao jardim,
Rega fundo 
A tua alma 
E ao sofrimento
Põe fim.

E QUANDO
O INVERNO
Termina
Saem cores 
Da tua mão,
Voam riscos,
Nascem amores,
Tudo brota
Do teu chão...

EU PERMANEÇO
NA NEVE,
Corpo frio, 
Alma quente.
Se te banhar
Como rio 
Germinas
Como semente,
Explodem os teus riscos
Em girândolas 
De cor.
É festa
Na tua terra,
Já não é tempo
De dor!

MAS SÓ DESÇO 
DA MONTANHA
Como neve
Que t'inspira
Pois da arte 
É alimento,
Frio branco
Que conserva
E à alma 
Dá alento.

SÓ ASSIM 
EU TE VISITO,
Perdoa
A minha falta.
No alto voam 
Foguetes,
Mas dentro de mim
É ribalta,
A que quero
Para ti
Pois eu não quero 
Mais nada.
Que Atena 
Te inspire
Com sua varinha
De Fada!

É FESTA NA TUA
TERRA,
Crepitam foguetes
No ar,
Fosse eu
O teu mordomo
Não iriam
As girândolas
Na tua festa
Parar!

BRANCA NEVE,
FRIA E HÚMIDA,
Não vê 
Foguetes no ar,
Mas banha 
A tua alma,
Lentamente,
Sem parar.

E SE PERGUNTAS
P'LA NEVE
Eu ouço-te 
Cá em cima,
Inspiro-me na 
Montanha
E respondo-te
Em rima,
Devolvo-te
Inspiração
Que da arte
É a vida,
Num poema 
Em oração
Que não é 
De despedida,
Mas canto, 
Em comoção,
Da palavra 
Proibida.

 

 

 

 

Artigo

O “GRILLO” CANTA SEMPRE AO CREPÚSCULO…

João de Almeida Santos

palazzo-del-quirinale_498086440_veduta-palazzo-quirinale-x-_41823

Palazzo del Quirinale, Roma, residência do Presidente da República. 
Aqui se decidirá o futuro político de Itália, após eleições 
legislativas que deixaram o país político mais uma vez fragmentado
e sem uma clara solução de governo. A palavra ao Presidente Sergio 
Mattarella.

 

RECUPERO O TÍTULO de um livro de Beppe Grillo, Gianroberto Casaleggio
e Dario Fo ("Il Grillo Canta Sempre al Tramonto", Milano, 
Chiarelettere, 2013) em forma de diálogo inspirado num livro de 
Luciano de Samósata, “A nau, ou seja, os desejos”, escrito no 
II Século d. C., uma viagem, em forma de diálogo, ao futuro como 
solução dos males do presente.

Os dados relevantes

Grillo e Casaleggio, naquele momento, já estavam a caminho do futuro. 
Em 2013. E em marcha acelerada. Nas eleições desse ano foram a 
primeira força política, com 25.5% e 8 milhões e 689 mil votos, 
para a Câmara dos Deputados. E, agora, em 2018, são de novo a maior 
força política, mas desta vez com 10 milhões e 617 mil votos, a cerca
de 14 pontos de diferença do Partido Democrático. Um triunfo 
esmagador, a outra face da esmagadora derrota do Partido Democrático
(PD).
Vale a pena ver alguns números comparativos (relativamente às 
eleições de 2013): o Movimento5Stelle (M5S) aumentou em cerca de 
2 milhões de votos o score eleitoral, tal como a direita, que obteve 
mais 2 milhões e duzentos mil votos. O Partido democrático perdeu 
cerca de 2 milhões e meio de votos. E se, com toda a probabilidade, 
um milhão foi para Liberi e Uguali - os que, inspirados por Massimo 
D’Alema, saindo do PD, acabaram por acentuar a espiral negativa que 
começou com a desastrada iniciativa do referendo constitucional de 
Renzi -, para onde foi um milhão e meio de votos? A resposta parece 
não ser difícil.

A novidade

Mas a grande novidade para que há que olhar é, de facto, a 
consistência eleitoral do M5S e o seu triunfo esmagador sobre o seu 
directo concorrente, o PD. As sondagens, ao longo de anos, davam o PD
à frente, embora com uma pequena percentual de avanço. A coligação 
de direita não é uma novidade porque os governos Berlusconi sempre 
resultaram desta mesma fórmula (FI, Lega Nord e Alleanza Nazionale). 
Nem os seus resultados foram muito significativos, apesar da forte 
subida em relação a 2013. A ala mais de direita, diria mesmo, 
de extrema direita (Lega + Fratelli d’Italia, os legítimos herdeiros 
de Alleanza Nazionale), essa sim, é que garantiu uma boa performance
ao conseguir quase 22% do eleitorado. Ao mesmo tempo, o PD entraria 
numa espiral negativa que não se sabe como acabará, vista, 
por um lado, a sua tendência reiteradamente suicida e, por outro, 
a progressiva perda de identidade político-ideal que tem, como tantos
outros partidos partidos socialistas e sociais-democratas, vindo a 
sofrer.

O MoVimento5Stelle

Uma coisa é certa. Os grandes vencedores foram os partidos
anti-sistema e as várias frentes temáticas que fazem deles partidos 
vencedores: contra o establishment, político e mediático; contra a 
imigração; contra a União Europeia; devolução do poder ao povo, 
contra a “casta” que tem vindo a governar Itália. Destes partidos, 
aquele que representa a maior novidade é o M5S, um partido digital 
que quer uma república digital, uma cidadania digital e uma 
democracia digital directa, que tem como sua base de apoio o povo 
da rede, que pensa o poder numa lógica “bottom-up”, o contrário da 
lógica vertical e unidirecional com que o establishment tem exercido 
a política. O exercício de uma democracia directa de matriz digital 
é permanente através do portal do M5S e do Blog de Beppe Grilo, 
transformando, curiosamente, o sistema representativo em simples 
instrumento do verdadeiro meio digital onde se processa a decisão 
política, a Rede. Numa palavra, a alternativa aos partidos 
tradicionais não só já está formulada como já está criada, sendo já 
politicamente maioritária e vencedora em Itália. Coisa que, de resto,
já se previa. Ao mesmo tempo, assistimos à débâcle do Partido 
Democrático. E não só pelas proverbiais tendências suicidas da 
esquerda italiana, mas sobretudo pela evolução estrutural da 
sociedade italiana e da cidadania. (Sobre o M5S veja o meu ensaio: 
A Política e a Rede: os casos italiano e chinês)

O que está a mudar

Gostaria, pois, de dizer algumas palavras sobre esta questão. 
Tradicionalmente, os partidos de esquerda viam a participação 
política ancorada sobretudo no “sentimento de pertença” e na “ética 
da convicção”. A decisão política era motivada sobretudo por este 
sentimento. A partir dos anos cinquenta do século passado, mas 
sobretudo dos anos noventa, com a expansão dos media, começou a 
impor-se a tendência para a emergência de um indivíduo informado 
e portador de múltiplas pertenças, que não só da partidária. 
Com a rede, esta tendência não só evoluiu como tornou este indivíduo 
ainda mais autónomo. Viria a ser designado como “prosumer”, como 
consumidor e produtor de informação e de política, capaz de se 
auto-organizar e de se automobilizar, rapidamente, de modo flexível 
e de forma temática. Este indivíduo ainda não foi devidamente 
reconhecido pelo tradicional sistema de partidos, que se continuou 
a reproduzir de forma orgânica e endogâmica, perdendo cada vez mais 
o contacto com uma cidadania que, entretanto, se transformou 
radicalmente. As novas plataformas de auto-organização e de 
automobilização já estão no terreno e chamam-se, por exemplo, 
MoveOn.org ou Meetup e já conhecem um poderoso desenvolvimento 
nos Estados Unidos. Ora o M5S – que utilizou a plataforma Meetup - 
trabalha sobretudo neste registo e faz-se intérprete da literacia 
digital, em particular daqueles que serão os futuros dirigentes, 
os jovens de hoje e, em parte, já os de ontem.
Esta mudança já está em curso em todo o mundo, sobretudo se tomarmos 
em consideração dois dados muito simples: mais de metade da população
mundial é user na Rede e cerca de dois biliões de pessoas têm 
Facebook.
A Itália representa, assim, uma fase avançada desta tendência 
estrutural, estando já a operacionalizá-la politicamente, atendendo 
à expressividade da votação conseguida pelo M5S. E esta é, sim, a 
grande novidade do caso italiano.

E agora, Presidente Mattarella?

Acontece que o sistema eleitoral italiano, uma combinação de
maioritário simples para 37% dos mandatos com 61% de proporcional 
levou, como era de esperar, à fragmentação partidária, impedindo 
o vencedor de governar por falta de mandatos que garantam a aprovação
do programa de governo e a estabilidade governativa. Mesmo assim, é 
dever do Presidente da República, Sergio Mattarella, indigitar ou um 
expoente da coligação de direita vencedora (mas somente com 35,8%) 
ou Luigi di Maio, do M5S (com 32,7%). De qualquer modo, nenhum terá 
condições para formar governo se não conseguir uma coligação que 
sustente estavelmente o governo. E não creio que possa haver uma 
coligação entre a coligação vencedora e o M5S. Assim, a única 
coligação que poderia garantir numericamente uma maioria absoluta 
seria a do M5S com o PD, estando esta possibilidade já em cima da 
mesa e começando a provocar fortes fricções no interior do PD, 
onde uns querem ir para a oposição e outros experimentar a aliança, 
embora a esmagadora maioria dos dirigentes pareça preferir ir para 
a oposição. O que se compreende, perante o risco de o PD poder vir 
a ser fagocitado pelo M5S e reduzido a partido insignificante. 
De resto esta solução até poderia vir a provocar outras cisões, 
a acrescentar à que já se verificou, com os resultados que conhecemos.
A Itália, por outro lado, tem uma longa tradição de governos 
institucionais e uma pequena tradição de governos minoritários, 
por isso, a solução parece inclinar-se mais para um governo de tipo 
institucional do que para uma solução estritamente política, de 
difícil concretização.

Conclusão

De qualquer modo, estamos perante três factos que devem fazer pensar
as forças políticas que têm vindo a assegurar a governação na maior 
parte dos países da União Europeia, sendo também certo que, aqui, 
algumas forças de governo actuais já manifestam claras tendências 
anti-sistémicas: (a) reforço claro da extrema direita, com um score 
eleitoral de cerca de 22%; (b) forte afirmação de uma força política 
de novo tipo claramente alternativa aos partidos tradicionais; (c) 
queda dos partidos tradicionais. Acresce ainda o reforço 
significativo da tendência anti-imigração e a ruptura da tradicional 
posição pró-União da Itália.
A Itália sempre foi politicamente muito complexa e, algumas vezes, 
pioneira. É um caso a seguir com muito interesse, precisamente pela 
consistência que o neopopulismo digital italiano tem vindo a 
demonstrar e que nestas eleições (já dera sinais evidentes nas 
anteriores eleições locais, ao conquistar Roma e Turim) reforçou 
ao ponto de se tornar inequivocamente o primeiro partido político 
italiano, seja na Câmara dos Deputados seja no Senado. E, 
naturalmente, no País.





 

Poesia

MARÇO

POEMA de João de Almeida Santos.
Ilustração: PÁN - Original
de João de Almeida Santos.
Em exposição na minha Galeria Poética,
de Março de 2018 até... Sempre!

 

Pán30FINAL

"Marzo: nu poco chiove / e n’ato ppoco stracqua: / torna a chiovere, 
schiove, / ride ’o sole cu ll’acqua./ Mo nu cielo celeste, / mo 
n’aria cupa e nera: / mo d’ ’o vierno ’e tempeste, / mo n’aria ’e 
primmavera. / N’auciello freddigliuso / aspetta ch’esce ’o sole: / 
ncopp’ ’o tturreno nfuso / suspireno ’e vviole... / Catarì!… Che buo’
cchiù? / Ntienneme, core mio! / Marzo, tu ’o ssaie, si’ tu, /e 
st’auciello songo io".

"Março: um pouco chove / e logo deixa de chover: / volta a chover, 
pára, / ri o sol com a água. / Ora um céu celeste, / ora um ar 
escuro e negro: / ora tempestades d’inverno, / ora um ar de 
primavera. / Um pássaro com frio / Espera que espreite o sol: / 
na terra ensopada suspiram as violetas... / Catarina! Que queres 
mais? / Entende-me, meu amor! / Março, sabes, és tu, / e aquele 
pássaro sou eu".

NOTA - “Arietta” (1898) do poeta napolitano Salvatore di Giacomo, 
1860-1934,em dialecto napolitano. Ouça MILVA em: 
https://www.youtube.com/watch?v=lMKDSnJEadc).
GOSTO DE MARÇO,
Entre a neve 
E a primavera,
O branco e
As flores.
Na fronteira, 
Como te vejo?
Talvez quimera!

GOSTO DO BOTTICELLI,
Dos rostos 
E dos corpos
Feminis.
Volúpia de 
Transparências
Sensuais.
Da pele, a Cor.
Dos traços
Que desenham 
Alvura nas 
Três Graças...
.........
E no Amor!

GOSTO DO BRANCO,
Cá de perto ou
Lá longe
No alto da Montanha.
E das cores intensas
Que brotam
Insinuantes
Ao meu olhar 
Deslumbrado, 
Cá em baixo,
Por ti
Iluminado!

GOSTO DE MARÇO.
Entrei nele
Contigo. 
Ombro a ombro.
No signo do 
Desencontro.
Que se repete
Em silêncio
Fatal, 
Marcado
Contraponto
Do tempo
Imprevisível
Deste “triste
Destino”...
Quase irreal.

QUE O DIGAM
Os astros 
Desalinhados!
Para ti colhia 
Flores luminosas
E a inspiração
Crescia
Nas estrofes
Arrebatadas
Com que fingia
Sentir
O que dizer 
Não podia,
Fosse por 
Uma hora
Ou por um dia.

NO SIGNO DO
Desencontro
Marcado como selo,
Lá vou eu
Por aí, 
Nem sei porquê
(Ou por falta de ti),
De braço dado 
Com Botticelli,
Lá em cima, 
na Galleria,
Onde, um dia, 
Eu quase morei.
Procuro-te
Em oração
À tua deusa, 
Atena,
Que trazes
(Eu bem sei)
No coração.

SINTO-TE PERTO,
Depuro
A tua imagem,
Bissetriz de mil
Rostos,
Até se tornar
Ideia
De corpo ausente!

DEPOIS REINVENTO-A
A cada instante,
Abraço-a
Com alma
De amante,
Pinto-a com 
Palavras
E silêncio
De catedral.
E sonho-te...

AO ACORDAR,
No amanhecer
De cada poema,
Verei que continuas 
Em mim,
De olhos fechados,
Como se fosses
Memória do que
Nunca aconteceu.
 
ANDAREMOS 
Por aí
(Os astros o dirão),
Vagando
No pólen
Da beleza sensível
Onde pousamos
O nosso inquieto
Olhar
À procura 
De alimento
Para pintar
O poema...
...................
Talvez o impossível!

LÁ NO ALTO
Te encontrarei,
Fio do horizonte,
Simulacro do teu
Olhar
A construir infinito,
Onde, num adeus 
Sem fronteiras
Nem cais de partida, 
Hás-de desenhar,
Com a alma,
As mil silhuetas 
Ainda inacabadas...
.............
Ou talvez não!

MEU DEUS,
Como gosto de ti...
........
Em Março!